CAMPEONATO BRASILEIRO 2017 – O QUE ESPERAR DO SEGUNDO TURNO (A PARTE DE CIMA) + Seleção do Turno

O achismo malemolente do Segue o Jogo mostra, novamente, sua cara na sequência do tradicional balanço de fim de turno do Campeonato Brasileiro. Nessa fonte inesgotável de chutes da internet, analisamos a metade de maior prestígio da classificação do brasileiro. E também a mais chata e menos desesperadora, especialmente nesse ano.

Irá o Corinthians despencar ou disparar rumo ao título? Irá alguém emular o Flamengo/2009 e entrar na briga pelo caneco de forma atabalhoada? Quem será o responsável pela proeza de não se classificar a uma das inúmeras vagas da Copa Libertadores 2018? Quem sofrerá com a janela de transferência e com a sobrevida na Copa do Brasil ou nos torneios continentais?

Sem mais delongas, vamos às nossas expectativas sobre o desempenho dos primeiros dez times da tabela de classificação, sempre com o apoio estatístico do site Chance de Gol.

Confira a primeira parte desse guia aqui, sobre os times na parte de baixo da tabela.

E nossa seleção do turno ao final desse texto.

 

Corinthians – Time cumpriu seu objetivo e praticamente assegurou sua manutenção na Série A de 2018, com 47 pontos. Quarta força do futebol paulista, o Corinthians conta com um time limitado, elenco com pouca capacidade de reposição, um técnico inexperiente e falta de alternativas de jogo. Ou não.

O melhor turno da história do Campeonato Brasileiro (desde 2002) surpreende, mas merecimento é a marca de cada um dos pontos conquistados (e poderia ser mais). A organização do time, a qualidade individual, a postura dos jogadores e o bom trabalho do departamento de futebol (que não se confunde com o clube em geral) deram ao invicto Corinthians uma significativa vantagem sobre seus rivais. Não deve manter os 82% de aproveitamento até o fim, mas qualquer coisa que não o primeiro lugar será uma desagradável surpresa pelo nível de competitividade apresentado até a 19ª rodada.

Probabilidade de título: 78.5 %. Probabilidade de G6: quase 100 %.

 

Grêmio – Maior candidato ao título* e mais forte concorrente ao título depois do Corinthians, a equipe gaúcha é outra que contrariou prognósticos e vem apresentando resultado e desempenho melhores do que o esperado na virada do ano e pela troca de técnico. A defesa sólida, o meio-campo dinâmico e o ataque envolvente que levam alguns a considerá-lo o time de melhor futebol no país. A manutenção da performance não é, contudo, assegurada. Além da constante ameaça de venda de Luan, principal jogador gremista, Renato Gaúcho tem o costume de priorizar a Copa Libertadores e a Copa do Brasil, em detrimento do Campeonato Brasileiro, no qual tem 39 pontos. Mas esse Grêmio faz da superação a sua marca, quem sabe possa surpreender e manter-se forte nas 3 disputas..

Probabilidade de título: 18.0 %. Probabilidade de G6: 99.7 %.

 

Santos – Indeciso entre a Vila Belmiro e o Pacaembu, ninguém explica muito bem como o time está com 35 pontos. Ou melhor, só Vanderlei explica. O ótimo momento do goleiro tem sido o grande responsável pelos elogios ao comando de Levir Culpi, contratado após a queda de Dorival Júnior. Divide as atenções com a Copa Libertadores e não parece ter fôlego ou futebol para se manter nas disputas pelo título continental e pelo título* brasileiro, devendo priorizar a competição continental. A saída de Thiago Maia deixou um vazio no elenco santista que dificilmente vai ser preenchido pelas peças atuais, mas a suspensão de Modesto Roma da presidência é um fio de esperança.

Probabilidade de título: 2.2 %. Probabilidade de G6: 95.8 %.

 

Palmares Rivale Palmeiras – Iniciou o torneio como favorito (já que o Favoritaço era o Flamengo) ao título brasileiro. A brincadeira, afinal, tinha acabado: Cuca estava de volta, Felipe Mello comandava o meio campo e Borja era a grande esperança de gols alviverdes. Um elenco capaz de aguentar a maratona da Copa do Brasil, da Libertadores e das 38 rodadas do nacional. Ao término das 18 rodadas, os sonhos paralelos ruíram e restou apenas o Brasileirão, com os 32 pontos, conquistados em meio a apresentações geralmente ruins e brilharecos eventuais. Lesões, afastamentos e contratações caras pontuais modificam a cara do alviverde da Turiaçu, que ainda tem tudo para fazer valer seu plantel e brigar pelo título* da competição.

Probabilidade de título: 1.0 %. Probabilidade de G6: 90.8 %.

 

Flamengo – O cheirinho parecia vir mais perfumado em 2017, mas se dissipou muito antes do esperado. Nem a eliminação precoce na Copa Libertadores representou um foco maior no Brasileiro. Reforçou-se ao longo do ano (às vezes muito bem, como mostra Éverton Ribeiro), mas não parece perder a pecha de time de jogadores mais famosos do que bons Geovânio Diego Alves Réver Diego. Seus 29 pontos são uma decepção a todos que consideravam o time da Gávea virtual campeão antes do torneio iniciar. Resolveu trocar seu técnico perto do fim do turno e não sabe exatamente qual grife botar no lugar. Incógnita, mas deve ganhar posições pela força do elenco, correndo por fora pelo título*.

Probabilidade de título: 0.3 %. Probabilidade de G6: 83.1 %.

 

Sport – A maior das surpresas da metade de cima da tabela, o Sport do pofexô Luxa tem 28 pontos e boas performances que credenciam os pernambucanos a sonhar com a repetição de 2015 (agora premiados com mais vagas na Libertadores). Algumas figuras em comum com a campanha do passado, como André Balada, Diego Souza, Rithely e, claro, Durval. Apesar de sua diretoria, o Leão da Ilha é uma grata presença no topo da tabela e merecia públicos melhores nas partidas em sua casa.

Probabilidade de G6: 17.9 %. Probabilidade de rebaixamento: 2.3 %.

 

Cruzeiro – Um dos maiores mistérios do Brasileirão-2017. Conta com um dos melhores treinadores do país, elenco qualificado, boa estrutura e, até o momento, paciência de sua torcida (o que não faz um rival em situação pior). Mesmo sem contar com o apoio de antigamente em Brasília, a Raposa deveria estar produzindo mais e brigando pelo topo da tabela e não ter 27 pontos. Talvez esteja focada na Copa do Brasil, mas em caso de insucesso corre riscos na retomada para a classificação continental via Brasileirão.

Probabilidade de G6: 50.5 %. Probabilidade de rebaixamento: 0.3 %.

 

Atlético-PR – Fora de campo, é a equipe mais randômica do certame nacional. Paulo Autuori já foi técnico, gestor técnico (manager), ex-manager e ex-ex-manager. Já contrataram e demitiram Eduardo Baptista em 11 jogos e agora apostam no tuga em Fabiano Soares, em sua primeira oportunidade no país após anos trabalhando na Ibéria. O campo, claro, reflete isso e instabilidade é a norma geral, alternando ótimos momentos com campanhas abaixo da média. Livre das amarras da Copa Libertadores, tem tudo para fazer valer seu time rápido e o fator casa, mesmo depois de vender o ótimo Otávio. Briga pelas últimas vagas da competição sulamericana. 26 pontos.

Probabilidade de G6: 4.5 %. Probabilidade de rebaixamento: 10.8 %.

 

Fluminense – Apostando fortemente na base (até por falta de opções), poucos esperavam resultados imediatos ao trabalho de Abelão, O experiente técnico não tira leite de pedra, como mostra a classificação e seus 26 pontos, mas montou uma equipe qualificada, jovem e, por isso, inconstante. A perda de Richarlison para o Watford vai ser um problema para a sequência do campeonato, que depende muito dos equatorianos Sornoza e Orejuela, dos pênaltis de Henrique Ceifador       e a classe intermitente de Gustavo Scarpa na luta pelas vagas nas fases qualificatórias da Libertadores.

Probabilidade de G6: 20.2 %. Probabilidade de rebaixamento: 2.6 %.

 

Coritiba – Os 25 pontos dão alguma segurança para a luta contra o rebaixamento, que não deixou de ser a realidade da equipe paranaense, em sua eterna saga de começar bem, ter uma queda abrupta e depois viver de resultados esporádicos contra equipes do eixo. Para piorar completar, contratou Marcelo Oliveira como técnico, perdeu Kléber, o Gladiador, com grande suspensão e não conta mais com o mito Kazim. O clube deposita suas esperanças em Rildo, Galdezani e na torcida por Alecsandro não entrar em campo. É pouco, mas pode ser o suficiente para se manter na disputa por uma vaga da Copa Sul-Americana.

Probabilidade de G6: 6.1 %. Probabilidade de rebaixamento: 11.0 %.

O Título*, colocado em disputa entre Grêmio, Santos, Palmeiras e Flamengo remete à distância atual entre o líder e os demais, que criou, no momento, um campeonato paralelo entre esses times.

Palpites para G6: Corinthians, Palmeiras, Flamengo, Grêmio, Cruzeiro e Santos.

————————

Seleção do Primeiro Turno

Vanderlei (Santos);

Fagner (Corinthians; Balbuena (Corinthians); Geromel (Grêmio); Arana (Corinthians)

Michel (Grêmio), Bruno Silva (Botafogo)

Luan (Grêmio), Rodriguinho (Corinthians), Lucca (Ponte Preta)

Jô (Corinthians)

DT: Fábio Carille (Corinthians)

(votos de Dehco, Netz e Paulo)

 

A foto de capa é de Marcos Ribolli e foi retirada do sítio do SPORTV

 

Comments

comments