CAMPEONATO BRASILEIRO 2015 – O QUE ESPERAR DO SEGUNDO TURNO (PARTE II)

Dando sequência ao já tradicional balanço de fim de turno do Segue o Jogo, analisamos a parte menos glamurosa da classificação do brasileiro. Embora uma arrancada espetacular de um time da “Zona da Confusão” seja o fio de esperança dos torcedores da rabeira da tabela, os casos de Goiás em 2004 e Fluminense em 2009 são as exceções que confirmam a regra: um time com campanha de rebaixado no primeiro turno dificilmente fará uma campanha de campeão na metade seguinte do campeonato.

Sem mais delongas, vamos às nossas expectativas sobre o desempenho dos últimos dez times da tabela de classificação, sempre com o apoio estatístico do site Chance de Gol.

Internacional – O Colorado começou mais uma vez campeonato apontado como um dos principais concorrentes ao título nacional. Aguirre era o técnico estrangeiro que faria um time vencedor a partir do conceito de rodízio de jogadores e o título que não vem desde 79 finalmente chegaria. Mas aí veio a pausa da Copa América na Libertadores e ficou evidente a todos que o torneio continental não viria e que a Taça Sétimo Lugar seria uma vez mais o máximo que o Inter poderia almejar na competição nacional. A desastrosa demissão de Aguirre e a goleada sofrida para o rival mostraram que 2015 já estava acabado, ainda no mês de agosto. Argel terá sua grande chance da carreira, mas um digno décimo lugar parece ser o máximo que o Saci pode almejar. A expectativa da torcida será pelo confronto com o Grêmio da 36ª rodada, na esperança improvável de que a humilhação do primeiro turno possa ser devolvida. Com o G4 distante e o Z4 improvável, a salvação poderá vir na Copa do Brasil…

Jogará em casa contra Atlético Paranaense, Vasco, Palmeiras, Corinthians, Figueirense, Sport, Joinville, Ponte, Grêmio e Cruzeiro.

Probabilidade de G4: 0,8%. Probabilidade de rebaixamento: 7,4%.

 

Santos – Entrou no campeonato como campeão Paulista, o que talvez tenha feito seus torcedores sonharem com objetivos maiores. Mas a realidade chega mais cedo ou mais tarde – e no caso do Santos chegou bem cedo no campeonato, quando o clube se viu afundado na briga contra o rebaixamento. Ao menos a diretoria agiu rápido para corrigir o erro de apostar em Marcelo Fernandes. A saída de um distribuidor de jalecos, a chegada de um técnico (ainda que Dorival Junior), e a tabela mais leve da segunda metade do turno colocaram o Santos na metade da tabela, por onde deve permanecer até o final do campeonato.

Jogará em casa contra Avaí, Chape, São Paulo, Galo, Inter, Flu, Goiás, Palmeiras, Flamengo e Furacão.

Probabilidade de G4: 5,4%. Probabilidade de rebaixamento: 1,0%.

 

Flamengo – O time começou mal, o que não foi surpreendente. Tampouco surpreendeu o comportamento da imprensa esportiva, segundo a qual a demissão de Luxemburgo resolveria todos os problemas da equipe. Veio Cristóvão e os problemas da equipe continuaram os mesmos. A chegada de Guerrero teve um impacto imediato dentro e fora de campo. Com Ederson, Alan Patrick, Sheik e Guerrero (cuja ausência é certa em algumas rodadas devido às suas convocações para a seleção peruana), o problema do Flamengo não é no ataque. Aos rubro-negros sobram duas opções: cobrar que Cristóvão dê um jeito no terrível setor defensivo da equipe, ou seguir a postura de seus dirigentes e colocar a culpa na arbitragem. Em qualquer um dos casos, a zona da pasmaceira parece o destino do Fla em 2015. Hoje, mesmo a Copa do Brasil parece um sonho improvável.

Jogará como mandante no estádio das gratuidades contra São Paulo, Avaí, Cruzeiro, Coxa, Vasco, JEC, Inter, Goiás, Ponte e Palmeiras.

Probabilidade de G4: 0,7%. Probabilidade de rebaixamento: 6,0%.

 

Cruzeiro – Do Cruzeiro para baixo, escapar da “Zona da Confusão” é o único objetivo das equipes analisadas. O time campeão em 2013-14 não existe desde o início do ano e a situação só foi agravada com a dispensa de Marcelo Oliveira e a contratação de Luxemburgo. O Presidente Gilvan Tavares já errou mais que o permitido no ano e uma sequência de resultados ruins ou uma contusão em uma posição chave podem por tudo a perder. Enfrentando em casa quatro de seus adversários diretos da luta contra o rebaixamento, a tendência é que consiga escapar da degola – mas todo cuidado é pouco.

Joga em casa contra Santos, Figueirense, Galo, Vasco, Coritiba, Grêmio, Fluminense, São Paulo, Sport e Joinville.

Probabilidade de G4: 0,8%. Probabilidade de rebaixamento: 5,9%.

 

Figueirense – O time tem sido inconstante no campeonato e sabia desde o começo que a briga seria para escapar o quanto antes da ameaça da zona do descenso. A saída de Argel não ajuda e a contratação de Renê Simões surpreende negativamente pela mudança brusca de estilo no comando técnico da equipe. A tabela do segundo turno é difícil e a equipe não terá sequer um jogo fácil em sua casa. A vaga para a Série B em 2016 parece provável.

Joga no Orlando Scarpelli contra Sport, Grêmio, Atlético Paranaense, Avaí, Corinthians, Flamengo, Santos, Galo, Chapecoense e Fluminense.

Probabilidade de rebaixamento: 35,5%.

 

Avaí – Apesar de ter conseguido o feito de ser derrotado pelo Vasco, o primeiro turno do Avaí não foi de todo mal. Após um começo muito bom, a equipe parece já ter superado seu pior momento na competição. A tabela do segundo turno é favorável à equipe, que terá condições de somar pontos importantes nos confrontos diretos em seu estádio. Sabendo usar a Ressacada, manter-se na Série A parece um objetivo possível.

Joga na Ressacada contra Inter, Coxa, Goiás, São Paulo, Vasco, Palmeiras, Cruzeiro, Joinville, Ponte Preta.

Probabilidade de rebaixamento: 74,9%.

 

Goiás – As boas primeiras rodadas deram lugar a uma sequência terrível de resultados que levaram à demissão de Helio dos Anjos. A contratação de Julinho Camargo mostrou-se acertada e o time vem em evidente evolução nas últimas rodadas, culminando no chocolate sobre o São Paulo em pleno Morumbi. Se for capaz de manter a fase crescente da equipe, o Goiás tem tudo para escapar do rebaixamento ao fim da competição. Vale lembrar que para o esmeraldino o fator casa é medido em metros e graus Celsius, e não em quantidade de torcedores, infelizmente.

Jogará para menos de 5 mil pessoas em Serra Dourada contra Vasco, Palmeiras, Sport, Ponte, JEC, Figueira, Cruzeiro, Inter, Coxa e São Paulo.

Probabilidade de rebaixamento: 25%.

 

Coritiba – O rebaixamento tem batido à porta do Coxa nos últimos anos, mas a equipe tem sido competente em evita-lo. Em 2015 parecia que a história teria um final diferente, mas os últimos resultados da equipe trazem alguma esperança para seus torcedores. Escapar do rebaixamento esse ano parece mais difícil que nos anos anteriores a tendência é que o Coxa brigue pelo título da Série B em 2016. A esperança de seus torcedores é que a equipe chegue à última rodada da competição com chances de se salvar, já que no Couto Pereira a equipe coxa branca receberá um provavelmente já rebaixado Vasco. A expectativa é que as cenas de 2009 e 2013 não se repitam, já que nos dois anos tivemos rodadas derradeiras envolvendo equipes paranaenses, equipes cariocas e a luta contra o rebaixamento…

Receberá em seu território Chape, Sport, Flu, Inter, AtléticoS, São Paulo, Figueira, Santos e Vasco da Gama.

Probabilidade de rebaixamento: 65%.

 

Joinville – O JEC é talvez a grande decepção do campeonato. O sólido desempenho no Catarinense apontava que a equipe poderia exercer um bom papel em sua volta à elite. No entanto, poucas rodadas já foram capazes de mostrar qual o papel que estava reservado ao Joinville na competição. A melhora das últimas rodadas após a chegada de PC Gusmão dão alguma esperança para o torcedor do JEC, mas apenas um segundo turno perfeito salvará a equipe da degola. Num campeonato em que o único time com regularidade é o Vasco (joga mal quase todos os jogos), o JEC não parece ter condições de engatar a sequência perfeita de que necessita para se manter na elite.

Na agradável Joinville receberá Flu, São Paulo, Chapecoense, Sport, Galo, Coxa, Figueira, Santos, Vasco e Grêmio.

Probabilidade de rebaixamento: 75,8%.

 

Vasco – O respeito não voltou, mas a volta do Vasco para a Série B é iminente. Iludidos pela conquista de um esvaziado carioquinha, por algum momento alguns cruzmaltinos chegaram de fato a acreditar nas palavras de Eurico Miranda. Se não bastasse a ruindade da equipe dentro de campo, a direção vascaína ainda consegue arranjar brigas e confusões com imprensa, adversários, Maracanã e com a própria torcida vascaína. A queda já é fato. A Jorginho restará a ingrata missão de determinar qual o tamanho da humilhação…

Se não vender mais nenhum mando de campo o Vasco joga em casa contra Figueira, Galo, Furacão, Sport, Chapecoense, Grêmio, Fluminense, Corinthians e Santos.

Probabilidade de rebaixamento: 98,4%.

 

Meu palpite pessoal para Z-4? Vasco, Joinville, Coritiba e Figueirense. E você? Qual seu palpite? Escreva nos comentários ou na página do Facebook do Segue o Jogo!

 

 

Foto de capa: Jorge Rodrigues/Trivela

Comments

comments