Campeonato Brasileiro 2015 – O que esperar do segundo turno (Parte I)

O primeiro turno do Brasileirão acabou, mas o espaço dos palpites e da corneta segue com a mesma intocabilidade.

O blog pode estar devagar, mas tradição que é tradição não morre nunca. O Segue o Jogo repete a divertida inglória tarefa realizada em 2013 (aqui e aqui) e em 2014 (aqui e aqui) de apontar o futuro do campeonato após sua primeira metade. Se ano passado o trabalho de Mãe Dinah vidente foi deveras facilitado pela absoluta chatice estabilidade do G4, o Segue o Jogo não tem o direito de esperar que o cenário se repita.

Com alguns meses de antecipação, já que mesmo o Palmeiras último colocado tem ainda chances de terminar em primeiro, é possível analisar as predições dos chutadores jornalistas profissionais. O Lance.net considerou Corinthians e Internacional como principais postulantes ao título, enquanto a globoesporte.com montou ranking eivado de critérios questionáveis que abalizou Inter, Palmeiras, Corinthians e Cruzeiro favoritaços. E falando em favoritaçoTM, houve o palpite abalizado dos profissionais da ESPN, em que o eterno candidato Internacional de Porto Alegre consta como aposta mais recorrente.

Mais interessante, contudo – e bastante mais grave em termos futebolísticos -, é verificar que clubes como Sport e Grêmio foram sumariamente excluídos da disputa, constando o time pernambucano como uma das principais apostas ao descenso.

Janela de transferências europeia e a dança da cadeira dos técnicos à parte, o achismo malemolente volta a dar as caras, para determinarmos quem irá disputar o título, o G4 e o rebaixamento em 2015. Junto de cada projeção, contamos com o apoio estatístico do site Chance de Gol.

Corinthians – Os 40 pontos alvinegros são, provavelmente, a maior surpresa do campeonato. Não pela força do elenco, pelo trabalho tático competente e pelo nível de atuações desde o começo do ano. A eliminação da Libertadores e a saída de jogadores como mercenário Guerrero, Sheik e Fábio Santos prenunciaram uma hecatombe no Parque São Jorge. Dívidas, cobranças e ameaças de mais saídas (aqui e aqui), a análise diária da imprensa era catastrófica e segue sendo, já que muitos creditam a liderança à sorte. Tem lacunas graves no elenco e pode sofrer em caso de lesões, suspensões ou quando chegar a Copa do Brasil. Até lá, esforça-se para ganhar em casa e não perder fora.

Vão escorregar em Itaquera: Cruzeiro, Fluminense, Grêmio, Joinville, Santos, Goiás, Flamengo, Coritiba, São Paulo e Avaí.

Probabilidade de ser campeão: 56,1%. Probabilidade de ficar no G4: 97,3%.

Atlético-MG – 36 pontos. Buscando reverter o domínio recente de seu maior rival, o Galão da Massa não poupa esforços na busca pelo seu segundo título brasileiro. Considerado por muitos como o time mais pronto da disputa, conta com forte elenco, opções na suplência e técnico vice vencedor experiente. O modo “bumba-meu-boi” e “bola para o Pratto” tem sido bastante eficaz, e vai lutar pelo título até o fim, mesmo não sendo grande.

– Joga contra Palmeiras, Atlético-PR, Avaí, Flamengo Inter, Ponte Preta, Corinthians Goiás e Chapecoense em casa, o que pode lhe garantir pontos em confronto direto.

Probabilidade de ser campeão: 26,8%. Probabilidade de ficar no G4: 90,5%.

Grêmio – Com os mesmos 36 pontos do Atlético, a equipe gaúcha tem a seu favor o ótimo momento do fim do turno, que incluem um fato novo uma vitória histórica contra o Colorado e inesperados 3 pontos ao visitar o Galo. Mudou da água para o vinho após trocar 7×1 Felipão por Roger e apostar em jovens promissores como Luan e Pedro Rocha, em jovens não tão promissores como Galhardo e Erazo e outros nem tão jovens nem tão promissores, como Marcelo Oliveira e Fernandinho. Tenta compensar o elenco pouco numeroso com a qualidade de Geromel e Giuliano, mas uma hora a conta pesa. Deve se assentar no G4, mas longe da briga pelo título.

– Joga em casa contra Coritiba, Goiás, São Paulo, Avaí, Santos, Flamengo, Fluminense, Atlético-Mineiro, mostrando que pode manter o ímpeto no início do returno, mas deve sofrere quando se afastar do Olímpico da Arena Grêmio

Probabilidade de ser campeão: 11,7%. Probabilidade de ficar no G4: 78,1%.

Fluminense – Seus 33 pontos o credenciam para a disputa pelo G4 mais que para aspirações ao título, já que estamos em 2015 e não mais em 2010. Fred, Ronaldinho Gaucho, Magno Alves, Cícero, Wellington Paulista e Osvaldo fariam bonito 5 anos atrás, mas hoje vão ter que suar para mostrar que podem atuar juntos e serem decisivos ao time de Mario Bittencourt. Sabemos que suas chances depositam-se nos pés dos jovens de Xerém, o que significa que serão preteridos por medalhões meia-boca bem meia boca.

– Joga no lado direito do Maracanã contra Galo, Flamengo, Palmeiras, Goiás, São Paulo, Atlético-PR, Chapecoense, Avaí e Internacional. Vai, portanto, disputar a vaga no G4 em casa.

Probabilidade de ser campeão: 0,9%. Probabilidade de ficar no G4: 23,4%.

Palmeiras – Com 31 pontos, soma praticamente um para cada contratação em 2015. Contando com o elenco mais numeroso do campeonato e bastante homogêneo, o rivale luta contra a falta de entrosamento, a mudança de técnicos (trocaram um Oliveira por outro), o STJD e os jogos às 11:00 de domingos, além do palpite de Arnaldo Ribeiro. Ameaçou disputar o título, mas a instabilidade de um novo trabalho pesou e pesará ainda, na atual temporada. Deve se limitar ao G4 ou à Taça Sétimo Lugar, o que, convenhamos, é muito melhor que o ano passado.

– O Allianz Park Parque Antártica sediará, com anuência da WTORRE, os jogos contra Joinville, Corinthians, Figueirense, Grêmio, Ponte Preta, Sport, Vasco, Cruzeiro e Coritiba, numa tabela cuja única certeza é a forte presença de público.

Probabilidade de ser campeão: 2,1%. Probabilidade de ficar no G4: 40,9%.

São Paulo – o segundo do pelotão com 31 pontos é também sua maior incógnita. A contratação de Osório parece ter sido um dos poucos acertos do relógio parado de Aidar, senão no futebol, até agora, mas em suas relações com atletas e imprensa. Se mais nenhum atleta for vendido exceto o Pato, o entrenador terá chances de montar um time mais consistente, com o bom elenco que ainda lhe resta. Conta com o momento especial do supercraque Pato e com a normalidade catastrófica de sua zaga. Na soma dos fatores, pode lutar por mais, mas deve se restringir ao G4. Tem uma feroz briga política para apimentar tudo.

– O Morumbi estará vazio nas partidas contra Ponte Preta, Internacional, Chapecoense, Palmeiras, Atlético-PR, Vasco, Sport, Atlético-MG e Figueirense, com bastante trabalho quando jogar fora.

Probabilidade de ser campeão: 1,7%. Probabilidade de ficar no G4: 35,4%.

Sport – Último da trinca com 31 pontos, o Leão da Ilha Arena Pernambuco é uma das raras demonstrações de avanço no futebol brasileiro. Utilizando uma base de refugos – que devem aparecer no Fluminense ou no Inter em 2016 -, boa estrutura e a manutenção do trabalho do treinador, o Sport mantém-se nas cabeças, mesmo não tenho vencido uma partida sequer fora de casa. Se aprender a vencer longe do usual grito de cazá cazá e conseguir driblar as limitações de seu enxuto elenco, especialmente ao disputar a Sul-Americana, pode disputar o G4 com força. A diretoria adora fazer uma ceninha ridícula nos bastidores, mas que o time joga bonito, joga.

– Será mandante contra Flamengo, Santos, Fluminense, Chapecó, Avaí, Atlético Mineiro, Grêmio, Atlético-PR, Corinthians, precisando de muito esforço para manter a série de bons resultados em casa.

Probabilidade de ser campeão: 0,4%. Probabilidade de ficar no G4: 16,9%.

Atlético-PR – Os 30 pontos do Furacão mostram que a tática de superioridade física de anos anteriores não tem mais a mesma eficácia. Tanto é que tem em Walter, aquele, suas melhores esperanças ofensivas. Destacam-se atletas como Wéverton, Kadu, Otávio, Hernani e Marcos Guilherme, mas a força do time advém de seu futebol coletivo, capitaneado por Milton Mendes. Com sorte chega à luta pelo G4, mas deve se contentar com a Taça Sétimo Lugar, se o Petraglia não Petragliar e mandar trocar o técnico.

– Visitam a Arena Kyocera da Baixada Goiás, Joinville, Grêmio, Ponte Preta, Cruzeiro, Corinthians, Avaí, Palmeiras, Flamengo.

Probabilidade de ficar no G4: 3,5%. Probabilidade de ser rebaixado: 0,8%.

Chapecoense – 28 Pontos de muita surpresa e muita luta jogando em casa, o time catarinense mais bem colocado conta com sua força em seus domínios e seu esforço para empatar fora. Bruno Rangel e Apodi juntam-se aos esforços do veterano Cléber Santana (e seus demais meias) e vem dando à Chapecoense de Vinícius Eutrópio campanha melhor que a expectativa.

– Corinthians, Ponte Preta, Flamengo, Cruzeiro, Palmeiras, Avaí, Atlético-PR, Inter e Goiás, vão sofrer na Arena Índio Condá

Probabilidade de ficar no G4: 4,6%. Probabilidade de ser rebaixado: 0,7%.

Ponte Preta – A grata surpresa do Campeonato Paulista e do início do Brasileirão não existe mais, mesmo com seus 26 pontos e colocação confortável. Guto Ferreira foi demitido, Renato Cajá vendido e outros tiveram queda de rendimento, como Rodinei e Biro Biro. Doriva, novo DT, terá que se desdobrar em pouco tempo para botar a Ponte de volta na briga pelo Sétimo Lugar, sob risco de ser mais um na dança das cadeiras do Brasileirão.

– Visitam o Moisés Lucarelli Grêmio, Cruzeiro, Vasco, Santos, Fluminense, Corinthians, Coritiba, Joiville, Figueirense e Sport, isso é, se a Macaca não vender mais nenhum mando.

Probabilidade de ficar no G4: 1,6%. Probabilidade de ser rebaixado: 3,4%.

A segunda parte do guia pode ser encontrada aqui.

Ps. Meu palpite para o G4 é: Corinthians, Atlético-MG, São Paulo e Grêmio.

Concorda, discorda, vai ter que chorar contra a arbitragem? Comente, compartilhe e curta a página do Segue o Jogo no Facebook.

A foto de capa foi retirada do sítio do Corinthians e é da Agência Corinthians

Comments

comments