Campeonato Brasileiro 2014 – O que esperar do segundo turno (Parte II)

Com o fim do primeiro turno do Campeonato Brasileiro 2014, o Segue o Jogo mais uma vez optou por se arriscar a deixar evidências irrefutáveis sobre nosso desconhecimento sobre futebol ao afirmar categoricamente aos nossos leitores o que eles podem esperar de seus times para as próximas 19 rodadas da competição.

Para a metade de cima da tabela Thiago Netz já nos brindou com trabalho malemolente magnífico como sempre. Estando eu mais habituado a acompanhar a porção de baixo da tabela por motivos de Palmeiras preferência pessoal, cumprirei meu dever com galhardia, sabendo que são as previsões furadas que unem cronistas esportivos profissionais e amadores. O apoio estatístico uma vez mais foi retirado do site Chance de Gol.

 

Atlético – PR – A posição na tabela pode enganar o torcedor de outra agremiação, mas certamente não engana o torcedor atleticano. A equipe que chegou a ocupar a quarta posição na 11ª rodada pareceu que teria condições de repetir o belo desempenho de 2013. Mas só pareceu. Há cinco jogos sem vencer na competição e com mais uma troca de técnico a equipe se distancia a cada dia da metade superior da tabela. A volta dos portões abertos pode ter um impacto positivo na equipe, mas as expectativas são baixas. A famigerada “zona da Sul-americana” parece ser o destino. Probabilidade de rebaixamento: 5,2%

Figueirense – A situação da equipe da capital catarinense é inversa àquela descrita para o rubro-negro paranaense. Por grande parte do primeiro turno o Figueirense se desenhava como o mais sério candidato ao rebaixamento dando uma sensação de justiça divina para os inúmeros torcedores do Icasa. No entanto a chegada de Argel Fucks deu uma nova cara a equipe, que não perde há 7 jogos, desde os acachapantes 5 a 0 contra o líder Cruzeiro. É evidente que num elenco limitado a sorte pode virar a qualquer momento, mas os pontos acumulados nas últimas pelejas parecem tirar o rebaixamento do radar do Figueira.  Probabilidade de rebaixamento: 6,7%

Goiás – O esmeraldino do Brasil central encontra-se em situação bastante semelhante à do Atlético – PR. Um começo arrasador, com uma defesa segura levaram a equipe à terceira posição na7ª rodada. No entanto o time desandou na volta da Copa do Mundo, aparentemente abalados pelo massacre alemão em BH. Nas últimas sete rodadas a única vitória foi justamente sobre a equipe paranaense. A zona da degola ainda está distante, mas não pode ser descartada. Probabilidade de rebaixamento: 7,6%

Botafogo – Isso pode ser duro de ler para o torcedor alvinegro, mas a 14ª posição do time da estrela solitária ao fim do primeiro turno é surpreendente. Com sérios problemas financeiros e políticos desde o início da competição, a Zona da Confusão (Luxemburgo™) parecia o destino provável para a equipe carioca. A distancia ainda ee curta e o pífio desempenho fora de casa ainda é motivo de preocupação. Ao lado do Palmeiras ainda é um dos principais favoritos à categoria “Grande rebaixado que fará companhia ao Vasco na série B”. Se eu tivesse de cravar, no entanto, afirmaria que não cai. Probabilidade de rebaixamento: 9,5%

Chapecoense – O caçula da Série A 2014 cresceu de produção após a saída de Gilmar del Pozzo e passou a surpreender aqueles que nao conhecem a força da Arena Indio Condá. Desde que saiu do Z-4 na 9ª rodada para lá não voltou e parece ter forças para aí se manter até o final. Probabilidade de rebaixamento: 45,2%

Palmeiras – O primeiro fora da degola pelos critérios de desempate encontra-se nesse desconfortável mas já conhecida posição em razão do insucesso da passagem de Gareca pelo equipe do Parque Antártica Allianz Parque. Com apenas uma vitória nas últimas treze partidas na competição a 16ª posição deveria ser motivo de comemoração. A chegada do sobrinho do Dudu precisa trazer resultados imediatos, pois uma volta para a zona de rebaixamento aliada aas intermináveis brigas políticas no clube podem selar o 3º rebaixamento no século, da equipe campeoníssima no século anterior. Precisa fazer pontos nas primeiras oito rodadas do turno, quando enfrenta adversários fracos em sua maioria. Se chegar à 28ª rodada grudado na zona de rebaixamento a tabela se torna inimiga e o rebaixamento provável. Probabilidade de rebaixamento: 25,9%

Criciúma – A equipe nunca chegou a empolgar ao longo do primeiro turno e a atual sequência de nove partidas sem vencer retratam o potencial do time.  Quem tem Fábio Ferreira na zaga pede para flertar com o rebaixamento e o tigre da terra do carvão tem tudo para lograr êxito em sua empreitada de jogar a Série B 2015. Probabilidade de rebaixamento: 90,2%

Coritiba – A equipe encontra-se na zona de rebaixamento desde a 4ª rodada e parece fadada a aí ficar. Com exceção da primeira rodada do segundo turno, quando enfrenta a Chapecoense em casa, as rodadas iniciais da segunda metade do campeonato não serão fáceis para a equipe curitibana. Alex que escapou de encerrar a carreira com um rebaixamento no ano passado parece que não terá a mesma sorte neste ano. Probabilidade de rebaixamento: 54,5%

Bahia – Se os Baianos resolvessem disputar aquele campeonato que cariocas costumavam disputar em brasileiros no meio da década passada (“O melhor do Rio”), ao menos o Bahia poderia se vangloriar de estar à frente do Vitória no “Melhor da Bahia”. A fase atual é terrível, sendo que a equipe enfrentou três rivais diretos na luta contra o rebaixamento nas ultimas quatro rodadas, não vencendo nenhum. Se chegar com chances matemáticas nas ultimas rodadas, ao menos terá a oportunidade de alimentar as esperanças da torcida com alguns jogos “de seis pontos”. Mas o destino ja parece selado. Ninguém aposta na família Biancucchi impunemente. Probabilidade de rebaixamento: 74,2%

Vitória – A equipe oscila mais que o rival local, mas ainda sofre com uma defesa em que tudo passa. A volta de Ney Franco, que havia treinado a equipe nas quatro primeiras rodadas da competição com aproveitamento de 42% dá um ar de Campeonato Italiano ao Brasileirão e trouxe alguma esperança para o torcedor rubro-negro. Os primeiros resultados no entanto foram pífios, e a tabela parece ingrata com a equipe baiana. Se não conquistar pontos até a 23ª rodada, quando enfrenta o rival tricolor no Barradão, uma derrota pode faze-lo afundar de vez na crise, acabando com as já remotas chances de escapar do rebaixamento. Probabilidade de rebaixamento: 75,8%

 

Concorda, discorda, vai ter que torcer por uma virada de mesa? Comente, compartilhe e curta a página do Segue o Jogo no Facebook.

 

Créditos da foto da capa: Felipe Oliveira / EC Vitória / Divulgação

Comments

comments